O psicodiagnóstico de Rorschach na avaliação de ansiedade, autopercepção e autoestima em policiais militares

Resumo

Este artigo refere-se à ansiedade, autoestima e autopercepção num enfoque no trabalho dos policiais militares no século XXI e suas peculiaridades contemporâneas. A instituição polícia militar atua próxima da sociedade, de suas necessidades e carências sociais, se deparando com mortes e lesões corporais, situações que hoje tem sido considerada como problema social. Portanto, observa-se que tais profissionais, estando diretamente conectados aos efeitos da violência urbana e a vivências de situações traumáticas, bem como sujeitos a exposição prolongada a eventos ambientais e estressores e que põem a vida em risco, estão mais propensos a alterações emocionais que podem influenciar nos resultados do trabalho que executam e podemos considerar que a ansiedade é uma dessas patologias que estão sujeitos a desenvolver. O que pode ser destacado, neste estudo, é que as variáveis do Rorschach escolhidas para esta pesquisa, de ansiedade, autopercepção, autoestima responderam expressivamente, o que possibilitou a discriminação entre os grupos de policiais e alunos. Os resultados apresentados constituem dados expressivos e relevantes para as variáveis FM+m, Sum Y, GHR, PHR, Nota D, Nota AdjD, (Fr+rF), (3r+(2)/R, FD, COP, AG, a (ativo) e p (passivo) por contribuírem para a evidencia de validade do uso de Rorschach em policiais militares. Elas revelaram diferenças entre os grupos e principalmente as características peculiares dos policiais, contribuindo com resultados importantes que poderão ser utilizados para promover mais estudos e principalmente com o desenvolvimento de programas para a manutenção da saúde mental desse profissional.

 

Biografia do Autor

Anna Elisa de Villemor-Amaral, UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO

Graduada em Psicologia pela PUC-SP. Mestrado e Doutorado em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM) e pós-doutorado na Universidade da Savoia/ França. Professora Associada Doutora do Programa de Pós-Graduação Strico Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco e líder do grupo de pesquisa Avaliação Psicológica em Saúde Mental no CNPq. É Bolsista Produtividade CNPq 1C. Foi membro da Comissão Consultiva em Avaliação Psicológica do SATEPSI/ CFP (2010 a 2012). Presidiu a Associação Brasileira de Rorschach e Métodos Projetivos (2002 a 2006), é hoje membro de seu Conselho Consultivo. Foi coordenadora do GT de Métodos Projetivos da ANPEPP( 2008 a 2012). Assessora ad hoc CNPq, FAPESP e CAPES. É coordenadora do Laboratório de Avaliação Psicológica em Saúde Mental - LAPSaM. Editora Associada da revista Rorschachiana. Vice-coordenadora do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade São Francisco (CONEP). Membro do Comitê Assessor de Psicologia no CNPq. Certificada pelo Therapeutic Assessment Institute (Texas, EUA). (Texto informado pelo autor)

Publicado
2021-02-08